Vestibular

Calouro Medicina UNIFESP – Como Estudou para Passar no Vestibular

Hoje trouxe um convidado super especial aqui no Blog, o Henrique Seiji!! Ele é meu cunhado, acompanhei a fase de Vestibular para Medicina. Foi Muito emocionante quando ele passou em medicina na UNIFESP, pois foi uma conquista incrível e merecida! Nesse post ele vai contar sobre a Trajetória desde a Escolha da profissão, estudos no Cursinho e o caminho até a aprovação. Espero que gostem =) 

Foto do Instagram do Henrique Seiji – Calouro UNIFESP

1) Como foi o processo de escolher  Medicina como faculdade e curso? Que fatores você mais levou em consideração?

Foi um processo lento e de muitas incertezas. No começo do ensino médio não havia exatamente muitas matérias com que eu me identificasse. A matéria de que eu mais gostava era português, por isso cogitei prestar o curso de Direito ou Jornalismo. No entanto, pesquisando mais afundo acerca desses cursos, senti que elaes não combinavam com minhas características.

Quando o Fábio, meu irmão, passou em medicina, eu comecei pesquisar sobre o curso e a carreira. Como eu tinha passado por duas cirurgias quando era mais novo, eu naturalmente já tinha um certo interesse pela área, mas nunca havia cogitado a medicina devido à visão que eu tinha da profissão.

Eu imaginava o médico como o profissional que trabalhava por diversas madrugadas seguidas no plantão e que nunca poderia se divertir já que o hospital poderia te ligar a qualquer momento para atender uma emergência. Obviamente, existem médicos assim, mas percebi que a medicina é muito ampla e há várias opções para quem não gosta desse estilo de vida. Então optei por prestar medicina por achar que eu poderia combinar tanto com o curso quanto com a carreira.

2) Você poderia contar sobre seu Preparo e Experiências de estudos/ provas durante o seu ensino médio?

Durante o ensino médio, a escola onde eu estudava utiliza o material do Poliedro. Portanto, desde o começo eu estudei com questões do ENEM e de vestibulares. 
No entanto, foi só mais para o fim do segundo ano que eu comecei a pensar em estudar realmente focado para o vestibular. Depois que eu fiz a prova da Fuvest, eu tomei um susto com a dificuldade da prova. Foi então que eu percebi que deveria me preparar melhor.

Durante o terceiro ano, além de estudar, eu passei a examinar os estilos de provas dos vestibulares. Então, tentava descobrir que conteúdos caíam mais, como eram cobrados e a questão do tempo de prova. Apesar dessa preparação, minhas notas não foram boas o suficiente para passar em medicina. 

3) Como foi a decisão de se mudar para São Paulo para fazer Cursinho? A adaptação foi muito difícil?

Como meu irmão fez cursinho em SP e foi aprovado, para mim era o caminho correto a ser trilhado também. Minha mãe estudou também em SP e ela me incentivou a estudar aqui, até porque os cursinhos de SP focam nos vestibulares que eu prestava, como a Fuvest e a Unifesp. A adaptação foi um pouco lenta, mas foi facilitada por morar com meu irmão e com minha avó.

Estranhei acordar mais cedo para pegar metrô. Assustei com a sala de cursinho com quase 200 pessoas. Sofri (ainda sofro) com o fato de demorar quase 1h para chegar em casa depois das aulas. Mas as mudanças fazem parte da vida e foram desafios que eu tive que enfrentrar para conseguir a vaga que eu queria na universidade.

Dicas de Estudo para Passar em Medicina

4) Você fez 3 anos de Cursinho até conseguir sua aprovação na UNIFESP. Como você considera sua evolução nesse período? Poderia comentar um pouco das diferenças de cada um dos anos?

Nesses 3 anos de cursinho eu apresentei uma evolução enorme, principalmente durante o meu primeiro ano de cursinho. Nesse ano, eu tive que realmente aprender muitas matérias porque meu conhecimento era muito superficial acerca delas. Nas provas desse ano eu acertei, em média, 10 questões a mais nas provas em relação ao ano anterior. Minhas notas permitiram eu passar para a segunda fase da unesp, mas não da fuvest e da unicamp. Também fiquei aproximadamente na posição 600 da unifesp, quando no ano anterior eu havia ficado em quase na posição de 3500.

No meu segundo ano de cursinho, eu sentia que sabia relativamente bem os conteúdos, então o objetivo era revisar e aprofundar ainda mais o conhecimento. Minhas notas nos vestibulares me permitiram passar nas segundas fases da fuvest, unesp e unicamp. Além disso fiquei em 300 na Unifesp, mas no final fui aprovado apenas na Santa Casa.

No meu terceiro ano de cursinho eu passei a dar mais atenção ainda aos exercícios dos vestibulares que eu iria prestar. Antes eu costumava fazer apenas os exercícios da apostila. Já nesse ano, os professores passaram diversas listas com exercícios dos últimos 10 anos dos principais vestibulares de SP. Nesse ano também passei a pensar ainda mais no controle do tempo de prova e em criar estratégias para elas, como quais matérias resolver primeiro. Com um padrão de resolução em mente eu me sentia mais seguro para as provas.

5) Quais as dicas mais importantes que você teria para falar a alguém que está na fase de vestibular agora tanto em Métodos de Estudos como em relação a Preparo Psicológico?

Em termos de estudo, um elemento que considero essencial é estudar sem pressa. Estude para absorver o conteúdo e não apenas para ficar com a matéria em dia ou resolver os exercícios recomendados. Em muitos momentos eu acredito que errei ao deixar de lado a qualidade do estudo apenas para resolver as tarefas dos professores.

Já em relação ao preparo psicológico, a dica mais importante que posso dar é: respeite os seus limites. É importante tentar se superar um pouco a cada dia, mas o esforço exagerado e constante pode resultar em prejuízos físicos e psicológicos. Quando você realmente não aguenta mais estudar e não consegue se concentrar é melhor você descansar e voltar aos estudos apenas quando você estiver bem.

6) Você, antes de ser aprovado na UNIFESP, chegou a passar em outras ótimas faculdades, como a UFF (Universidade Federal Fluminense) e Santa Casa- SP. Foi difícil de tomar a decisão de não ir estudar nessas instituições e fazer mais um ano de cursinho para tentar passar nas suas primeiras opções?

A decisão de não me matricular na Santa Casa foi mais fácil, pois, apesar de ela ser uma ótima faculdade, seria difícil de minha família pagar as mensalidades.
Já a decisão de não estudar na UFF foi difícil e dolorosa. Cheguei a fazer matrícula na faculdade, adorei Niterói, já tinha uma simpatia pela UFF e não queria continuar no cursinho. No entanto, meu sonho de estudar em SP falou mais alto. Passei as semanas seguintes ao cancelamento da matrícula bem angustiado e me perguntando se fiz a decisão certa. Felizmente, consegui ser aprovado na UNIFESP e acredito que acertei na minha escolha de continuar no cursinho.

7) E qual foi a sensação de ter sido aprovado na Unifesp, uma das melhores faculdades do Brasil e que também era uma das suas primeiras opções? 

Foi uma sensação maravilhosa. A minha reação inicial foi pular loucamente pela e casa e mandar mensagem para familiares e amigos. Depois da euforia, a sensação foi principalmete de alívio e dever cumprido. Vi que todo meu esforço nos últimos anos não foi em vão e que finalmente iniciaria uma nova fase em minha vida.  

E a entrevista continua, na próxima postagem o Seiji vai contar sobre o Curso de Medicina da Unifesp e como foi a recepção como Calouro e primeiros meses de aula. Não percam!!! E muito obrigada, Seiji, por ter aceitado participar do Blog!! Vai ajudar muitos estudantes vestibulandos =) 

Assuntos do Artigo
  • Como passar na Unifesp

Comente Via FaceBook

Comentários




| Website

Sou estudante do 4º ano de Medicina na Faculdade de Medicina da USP, blogueira desde 2012 quando fazia Cursinho pré-vestibular. Há poucos meses comecei o Vlog Mediários no You tube.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

3 Comentários

  1. Renato disse:

    Olá, aprecio muito sua dedicação.

     

    Você teria alguma dica de quais livros são importantes comprar desde os primeiros anos e que serão utilizados (ou pelo menos consultados) ao longo de todo o curso?

     

    Por exemplo, eu já li / ouvi que o livro de anatomia do moore era mais pra biblioteca / xerox … e é um livro que calouro costuma comprar

     

    Já ouvi também que o atlas de anatomia pode vir a ser útil para consulta durante todo o curso, que seria uma boa compra..

     

    O que você recomendaria comprar de fato que teria muita utilidade em diversos períodos?

     

    Obrigado pela atenção!

    • Bianca disse:

      Olá, Renato!! Muito obrigada pelos elogios ao meu trabalho aqui!! =)

      Sobre sua dúvida: Acho que o Atlas de Anatomia é um dos livros bons de serem comprados mesmo, porque vai consultar muito ao longo dos anos!! O Junqueira é bom, mas xerox já ajuda e também tem em pdf na internet…  Os demais de bioquimica, fisiologia e embrio são pouco usados no futuro. Guarde o dinheiro e economize com as xerox, para mais pra frente comprar um de Clínica (tipo Cecil ou Harrison ) que vai usar mais <3

      Grande abraço!!

  2. Unoserv disse:

    Parabéns pela matéria, nós da clinica de urologia Unoserv sabemos como é dificil ingressar em uma universidade de medicina.

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.