Scroll Top

Literatura e Arte

Frank Moore – O Artista e A Doença, Quadros sobre Adoecer, HIV e Aids

Uma das coisas que eu mais aprendi nesse tempo de estudo é que a Medicina não é uma ciência exata, envolve muito de saber técnico e biológico, mas sem um olhar humanístico ela não é nada! Para se cuidar de uma pessoa não basta olhar para a doença, é preciso entender como que aquele processo de adoecimento influencia na vida dela, seus medos e expectativas para assim poder ajudá-la efetivamente…

Em uma palestra que tive na faculdade (“Além dos Muros” da Fmusp), eu conheci o trabalho de um artista incrível, Frank Moore, o qual contraiu o vírus HIV e retratou através de seus quadros como ele sentia seu “Adoecer”… As Obras são de grande simbologia para o paciente e uma fonte de entendimento para os profissionais: pois expressam o que de fato importa ou aflige o indivíduo com aids.

Há diferentes percepções e atribuições de significado para uma mesma doença

Há diferentes percepções e atribuições de significado para uma mesma doença

Breve Biografia de Frank Moore

Frank Moore nasceu em Nova York em 1953. Ele cresceu em Long Island e passou seus verões com sua família no Adirondacks. Desde sua primeira juventude , ele tinha um grande interesse no mundo natural , Moore participou de Yale College, e passou um ano em Paris, na Cité des Arts. Ele se mudou para a área de SoHo de Manhattan , em 1977.

Além de criar pinturas e desenhos , ele projetou cenários e figurinos e colaborou com vários grandes coreógrafos e companhias de balé . Ele formou uma parceria de longo prazo com o coreógrafo e bailarino Jim Auto com quem criou o filme Beehive , em 1985 , que foi expandido em um balé encomendado pelo Ballet de Boston em 1987.

Em 1985 , Moore comprou uma fazenda em Deposit, Nova York, e aprofundou sua ligação com a natureza . Ele converteu o celeiro da propriedade em um estúdio de pintura para que ele pudesse passar a maior parte do verão e grande parte do outono.

Em 1985 , Moore soube que era HIV positivo. Após o diagnóstico , o seu trabalho foi cada vez mais confrontado com questões em torno da AIDS , a degradação ambiental , a bioética , a homossexualidade , e cuidados de saúde. Ele se tornou um notável ativista sobre AIDS. Foi um dos membros fundadores da Visual AIDS , sendo fundamental para ajudar a criar e lançar o projeto da Fita Vermelha, que se tornou um símbolo mundial de conscientização sobre a Aids (criação de um símbolo único, público e que mostrasse solidariedade em relação aos portadores HIV).

Sua obra tem sido amplamente exibida nos EUA e internacionalmente, em 1995 na Whitney Biennial, no Artists Space de Nova York, no Museu Paroquial de Arte em Southampton NY e em museus em Londres e no Japão . Moore recebeu o Oscar em Arte da Academia Americana de Artes e Letras em 1999. Uma retrospectiva sobre a carreira de sua obra foi inaugurada no Museu de Arte de Orlando, em 2002 , pouco depois de sua morte, e posteriormente viajou para a Galeria de Arte Albright -Knox em Buffalo. O trabalho de Moore está representado nas coleções desses museus, bem como no Museu de Arte Moderna , o Museu Whitney de Arte Americana , e na New York Public Library.

O Artista e A Doença –  Quadros

As pinturas de Frank Moore examinam a relação da humanidade com o mundo natural. Por quase duas décadas, ele explorou as conexões entre a saúde humana e o meio ambiente. Esta relação levou Moore para questões de raça, gênero, sexualidade, AIDS, ciências genéticas e o papel dos combustíveis fósseis na América.

Patient, 1997-98 oil on canvas over wood panel in artist's frame , 49.5x65.5x 3.5

Patient, 1997-98
oil on canvas over wood panel in artist’s frame , 49.5×65.5x 3.5

A imagem do branco e dos flocos de neve caindo dão o tom hospitalar do quadro, o lugar parece líquido e se desfaz … o inverno chega e deixa para trás o outono, como se anunciasse o fim, a morte…o sangue vaza da seringa!

Hospital, 1992 oil on canvas with icicle frame, 49x58

Hospital, 1992
oil on canvas with icicle frame, 49×58

No quadro acima, Frank Moore representa um Hospital: para ele o clima é sombrio, tudo branco e frio, lembrando o clima polar… Os pacientes presos em seus quartos, e cercados por um mar de medicamentos. Na água do mar há petróleo e capsulas de vírus HIV, representando sua infecção… Há ainda o detalhe do coração que parece em pedaços, tudo no quadro contribui para uma atmosfera de tristeza e falta de esperança, tudo menos umas pegadas (no canto inferior do quadro) que parecem ir para algum lugar longe dali…há uma esperança, alguém conseguiu superar…

Aquarium, 1997 oil on canvas on wood panel w/1/2 inch copper plumbing pipe w/ valve frame, 22.25x28.50

Aquarium, 1997
oil on canvas on wood panel w/1/2 inch copper plumbing pipe w/ valve frame, 22.25×28.50

No quadro Aquarium, Moore dá destaque para o copo, a água que ele vai beber, com os múltiplos remédios de seu coquetel, está cheia de vírus e bactérias… Esses micro-organismos tão pequenos nem sempre são inofensivos, ele foi infectado por um vírus e esse vírus minúsculo alterou toda sua vida!

Niagara, 1994 oil on canvas with copper frame and attachments, 99x67

Niagara, 1994
oil on canvas with copper frame and attachments, 99×67

O pintor escreveu sobre sua intenção em Niagara: “Esta pintura mostra uma molécula de DNA gigante saindo da névoa das Niagara Falls, porém esta molécula não é feita de bases orgânicas ACGT que são tão familiares, mas em vez disso é formado a partir de substâncias químicas que causam câncer e defeitos congênitos, ‘mutagénicos hereditárias “, que são liberados em uma base diária e em torno do Niagara Falls”

Em seus quadros sentimos sua angústia sobre a natureza tóxica dos medicamentos contra a Aids, os pacientes agonizantes, o sofrimento do tratamento de Aids, e a fragilidade da vida humana.

Arena, 1992 oil on canvas on wood with frame , 61x72

Arena, 1992
oil on canvas on wood with frame , 61×72

No centro da Arena encontra-se um paciente em uma mesa de dissecção… Na época da pintura o parceiro de oito anos de Moore, Robert Fulp, havia morrido e o quadro mostra Fulp tendo o seu último suspiro,com um médico por perto. Ele é cercado por esqueletos, um a cavalo.

Fora da arena, no canto superior esquerdo está o guia espiritual budista de Moore, John Giorno, que está liderando um grupo de oração e no canto superior direito, Act Up ativistas lutam por trás de uma barreira policial. Um carrega um sinal pedindo Quem está no comando? Entre os grupos, Moore acrescentou detalhes da virologia do HIV,  cadeias de DNA e várias fórmulas científicas.

Assuntos do Artigo
  • biografia de frank moore
  • quem era esposa de frank moore

Comente Via FaceBook

Comentários

1 Estrelinha =(2 Estrelinhas3 Estrelinhas4 Estrelinhas5 Estrelinhas =) Classifique Nosso Artigo de 1 à 5 Estrelas :)
Loading...

Artigos Relacionados à Frank Moore – O Artista e A Doença, Quadros sobre Adoecer, HIV e Aids!

Sobre o autor | Website

Sou estudante do 4º ano de Medicina na Faculdade de Medicina da USP, blogueira desde 2012 quando fazia Cursinho pré-vestibular. Há poucos meses comecei o Vlog Mediários no You tube.

3 Comentários

  1. Neto disse:

    Boa tarde! Fiquei comovido com a sua historia. Terminei meu ensino médio este ano, e me dediquei este ano…mas sempre acho que não foi o suficiente! Me pressiono muito. Sempre acompanho o seu blog, e gosto muito. Te acho uma guerreira!
    Gostaria de saber se você estudava pelas apostilas do Objetivo mesmo ou se estudava por livros didáticos? Se sim, quais?!
    Você estudava em média quantas horas?
    Perdão por tantas perguntas…

  2. Neto disse:

    E você leu todos os livros da Fuvest? Como encontrou tempo?

    • Bianca disse:

      Oi Neto,

      eu estudava principalmente pelas apostilas do Objetivo, e algumas de outros cursinho que peguei emprestado de amigos… mas em geral, eu complementava o estudo com pesquisas na internet – tipo vídeos e resumos…
      Eu estudava das 14 as 19 horas, com alguns intervalos para descanso, lanche, ler um livro… e aproveitava a manhã de sábado para estudar também…

      Eu já tinha lido muitos livros da lista de Obras no Ensino médio, ano passado mudaram alguns e logo que saiu a Nova Lista de Obras da Fuvest (com Til, Viagens na Minha Terra, Sentimento do Mundo) eu corri para a biblioteca e peguei os livros e li no primeiro mês do cursinho… Depois li várias resenhas das obras, comentários, vi palestras 9até fiz uns posts aqui com alguns comentários sobre esses livros), e tudo isso me ajudou a entende-los melhor!
      Eu confesso que ano passado eu lia mais livros que não caiam no vestibular, eu lia como passatempo, como minha valvula de escape do estresse… era meu momento de sair daquele mundo de pressão do vestibular e viajar… Mas claro, eu tinha uns horários meio que pré-estipulados: lia antes da aula, um pouco depois do almoço e um pouco num intervalo entre os estudos no fim da tarde… Lia enquanto esperava meus pais virem me buscar (coisas desse tipo haha)

      = )

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo: