Scroll Top

Vestibular

Novo Currículo Medicina USP – Entrevista com Estudante

O Currículo da Faculdade de Medicina da USP foi recentemente reformulado, num processo de modernização da estrutura das aulas e apresentação dos conteúdos. A primeira turma a adotar esse Novo Currículo iniciou o curso em 2015, a Turma 103 da nossa faculdade, e tudo é ainda muito novo para os alunos e professores.

Uma comissão de professores e alunos de todos os anos foi formada para liderar a estruturação e distribuição das matérias nos seis anos da faculdade, um dos objetivos é integrar mais efetivamente a parte do ciclo básico com o ciclo clínico, então desde o começo do curso os estudantes terão uma visão médica da matérias (o que muitas vezes não ocorria no Ciclo de matérias básicas, Imunologia, Biologia celular etc do antigo currículo anterior). A implantação do novo currículo contou também com a consultoria de instituições internacionais: Brown University; NBME (National Board of Medical Examiners) e Universidade de Toronto.

Como muitos de vocês são estudantes que vão prestar o vestibular e querem saber mais informações sobre a faculdade, como é o ensino e tudo mais, convidei um colega, Eidi Sakaguchi, aluno da turma 103 para contar um pouco da sua experiência nesse Primeiro ano da Faculdade – ele inclusive era um leitor assíduo do Blog ABC da Medicina na época do cursinho hehe =). Então, primeiramente agradeço à ele por ter aceito responder às perguntas abaixo, tenho certeza que vão ajudar a muitos que estão curiosos e com dúvidas sobre como é cursar Medicina e o que os espera após a aprovação no tão sonhado curso!! 

Símbolo Medicina USP

Símbolo Medicina USP

1) Como foi o seu primeiro ano na faculdade? Correspondeu suas expectativas de quando estava no cursinho?

Meu primeiro ano na faculdade foi muito bom. Conheci várias pessoas diferentes, interessantes e bastante receptivas, e tive aulas de diversas qualidades e tipos, algumas sendo logo taxadas como “pesadelos”, inclusive por mim, por exemplo a famosa bioquímica, e outras como “sonho” de todo calouro de medicina, como a nova disciplina de Discussão Integrada de Caso, em que analisamos casos reais de alguns pacientes do HC. É interessante notar também, que a faculdade oferece uma vida que vai além da Graduação em si, a qual vale a pena, sim, aproveitar, mesmo que, para isso, alguns sacrifícios sejam necessários. Eu, por exemplo, entrei para a Atlética, onde competi pelo tênis de campo na Calomed. Apesar da triste- e polêmica – fama que tem sido construída sobre a AAAOC na mídia, as pessoas que a integram são, em sua maioria, muito simpáticas, prestativas e divertidas. Enfim, acho que ficou bem claro que, após alguns anos sofridos de cursinho, as minhas expectativas foram alcançadas, quiçá ultrapassadas.

2) No seu ano, a faculdade mudou o currículo e o estilo do ensino, isso te preocupou?

Não. Bom, posteriormente à semana de recepção, tivemos reuniões com alguns coordenadores do curso no teatro da faculdade, nas quais nos foi apresentado o novo currículo da medicina. A priori, tudo parecia muito bom – aos olhos de calouro, tudo na faculdade parece uma maravilha – afinal, o marketing feito por eles dessa reformulação baseava-se, sobretudo, no argumento de que esse plano tem sido executado durante alguns anos em parceria com a Universidade de Toronto, além de outras instituições respeitadas no mundo acadêmico médico e, inclusive, com o próprio Centro Acadêmico da Pinheiros, ou seja, não poderia dar errado, certo? Errado. Ao longo da graduação nos deparamos com vários problemas, desde pequenos, como desencontros de informações (ou a total ausência destas) e períodos de aula mal distribuídos, até as mais graves, envolvendo o sistema de notas e avaliações. A implantação da nova prova semestral, por exemplo, não obteve êxito completo até agora; tanto a versão do primeiro semestre, quanto a do segundo, apresentaram problemas técnicos. Por esses motivos, a minha preocupação quanto a essas renovações vem crescendo com o tempo, mas estou otimista pela melhora, porque, apesar desses problemas, esse novo currículo carrega uma proposta realmente interessante e, além disso, sua montagem se subordina não só à coordenação do curso, mas também aos próprios alunos da graduação.

3) Como foram suas aulas em 2015 (Primeiro ano), Grade horária e principais matérias que teve?  

As minhas aulas, como já disse anteriormente, foram bem variadas. No primeiro semestre tivemos as matérias básicas tradicionais, geralmente mais maçantes, como bioquímica, biomol, Fundamentos Morfofuncionais e Introdução à medicina (exceção à monotonia teórica do primeiro semestre); mas também tivemos a primeira visão do novo currículo com as aulas de Discussão Integrada de Casos, em que analisamos juntamente com alguns professores de diversas especialidades (ex.: radiologia, patologia, cardiologistas, etc…) certos casos clínicos reais do Hospital das Clínicas por meio de anamnese, exames diversos e, às vezes, Necrópsias em tempo real. Além dessas matérias, tivemos a disciplina Processo Saúde Doença Cuidado I, em que nos era apresentado um lado mais Humano da medicina, dando ênfase para certas obrigações sociais do médico e, também, para a apresentação de conceitos como a APS. Alguns dias éramos levados a comunidades carentes para acompanhar o funcionamento do SUS e o trabalho das ACSs. No segundo semestre tivemos a continuação de algumas matérias e a introdução de outras, como o Sistema Digestório I, Ciclos da Vida e Princípios do Desenvolvimento das Doenças. Nesse momento começamos a ver, realmente, assuntos mais ligados à medicina em si, como a imunologia, microbiologia, patologia, radiologia e anatomia. Nas aulas de Ciclos da Vida integrávamos os conhecimentos biológicos com os sociais através de discussões que abrangiam problemáticas determinadas para cada fase da vida, do nascimento à terceira idade.

Faculdade de Medicina USP

Faculdade de Medicina USP

4) Os períodos livres tem ajudado nos estudos e/ou a participar de atividades extracurriculares?  

Os períodos livres têm ajudado bastante nos estudos, principalmente nas semanas em que há provas; mas estou usando esses “descansos” para me dedicar à Iniciação Científica. Algumas pessoas utilizam esse tempo para fazer disciplinas optativas, mas no primeiro ano é difícil conseguir uma optativa interessante e que seja ministrada nesses horários específicos, até porque a distribuição de vagas da maioria dessas aulas é feita preferencialmente para os outros anos. 

5) De quais Extensões você participa?

No primeiro semestre entrei para o EMA (uma extensão em que os alunos são levados a alguns centros de atendimento médico, onde podem acompanhar o os mais experientes, ou até mesmo, atender, com supervisão, os pacientes e discutir tais experiências posteriormente com a “panela”) e para a Atlética e participei de alguns cursos de Ligas. No segundo semestre eu deixei a Atlética (acredito que temporariamente) porque queria começar a Iniciação Científica, mas ainda continuei indo ao EMA e aos cursos. No final do segundo semestre entrei para o DC como Colaborador da Revista.

6) Como é sua rotina de estudos agora na faculdade? Qual matéria você gosta mais?

A minha rotina de estudos, até agora, baseia-se em tentar estudar a matéria do dia quando chego em minha casa, mas quase nunca dá tempo de terminar tudo, pois além de haver muita matéria para ser estudada pós-aula, o curso é integral, então não sobra muito tempo livre para estudar. A “solução” acaba sendo, portanto, o sacrifício, cada vez maior, das horas de sono, principalmente nos dias que antecedem a prova. A matéria que mais gostei desse ano foi a DIC (bem fácil perceber isso pelos meus comentários acima), pois ela consegue integrar de forma perfeita os conceitos isolados das outras disciplinas, dando a elas um porquê que muitas vezes não ficava claro no momento da aula teórica, mas que depois das discussões clínicas tornava-se bem óbvio. Além disso, a idéia da investigação clínica me atraiu bastante.

7) Vocês já tiveram algum contato com paciente ou aulas mais práticas no hospital?

Pela graduação, o contato direto com pacientes se limitou a pequenas entrevistas feitas por nós nas aulas práticas da disciplina Processo Saúde Doença Cuidado I. É possível, no entanto, atuar de forma mais próxima ao paciente por meio das atividades extracurriculares como o EMA e algumas Ligas.

medicina-USP-3

8 ) O que você está esperando desse próximo ano em relação às matérias da faculdade?

Eu espero que no segundo ano tenhamos mais atividades práticas, principalmente ligadas à anatomia, porque tivemos aulas muito limitadas quanto a esse assunto que, pessoalmente, me interessa bastante. As minhas maiores expectativas são relacionadas, na verdade, às atividades extracurriculares, não só as optativas ou Atlética e outras extensões, mas principalmente à Bandeira Científica (atividade extracurricular em que grupos de alunos de diversas áreas- medicina, odonto e engenharia- são levados a comunidades mais isoladas geograficamente a fim de auxiliá-los de variadas formas), da qual, assim como muitos outros alunos da faculdade, tenho muita vontade de fazer parte

Esperamos ter esclarecer um pouco sobre como está sendo a implantação desse Novo Currículo na USP, como foram as aulas do 1º ano da faculdade e como os estudantes estão se sentindo na faculdade de Medicina. Para maiores informações vou colocar o link par vocês verem a Grade Curricular nova (aulas e períodos): 1º ano ( 1º semestre; 2º semestre) e 2º ano (3º semestre; 4º semestre)

Quem tiver dúvidas fique a vontade em nos mandar aqui pelos comentários 😉 

Comente Via FaceBook

Comentários

1 Estrelinha =(2 Estrelinhas3 Estrelinhas4 Estrelinhas5 Estrelinhas =) (5 Votos, Média: 5,00 out of 5)
Loading...

Artigos Relacionados à Novo Currículo Medicina USP – Entrevista com Estudante!

Sobre o autor | Website

Sou estudante do 4º ano de Medicina na Faculdade de Medicina da USP, blogueira desde 2012 quando fazia Cursinho pré-vestibular. Há poucos meses comecei o Vlog Mediários no You tube.

Seja o primeiro a comentar!

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo: